quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Permaculture Design Principles: Stacking in Time and Space

 Time stacking:
In this field,
the Autumn and Winter pasture of rye for sheep,
follows the irrigated and compost demanding
Spring /Summer crop of maize.
Heaps of sheep carbon rich deep litter bedding on the left.
Space stacking: 
Rye as ground cover grows in
Winter despite the usual frosts,
 is trimmed by the sheep
(as intermitant disturbance).
Vines on the edges as wind break
and grape crop and olive trees in the centre
 increasing the "photosynthesis edge" productivity.
 This rye is seeded during the Autumn first rains,
by superficial tilling
in what remains from the maize litter and mulch.
Corn stalks were harvested for sheep winter fodder
or disposed on the edges as mulch for the vines-grapes.

 Winter tree cabbage and
 Olive trees (upper right) and rows of vines (lower right).

Terraces on gentle slope:
A mosaic of Autumn pastures
 (for grazing and forage)
with scattered
heaps of animal bedding and vines on the edges.

Tree Crops: Quercus Ilex

A few weeks ago,
while visiting some friends
in the upper Alentejo,
we picked 2 kilos of acorns.
We are eating them roasted,
2 or 3 acorns at each meal.
If I knew they would be this tasty
I would have picked more ...
Check other uses of this magnificent tree:

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Fruits for every meal - October fruit harvest - Chao Sobral

We do not grow fruit trees for the market, almost 100% are eaten fresh.

Na foto: Frutos de Outubro recém-apanhados, pêra, dióspiro, medronhos, framboesas, figos, uvas, castanhas, nozes, e tortulhos/cogumelos.
Pear, kaki, arbutus berry, raspberry, figs, grapes, chestnut, walnut and mushroms.

Many of them (rasberries, cherries, peach peels, Arbutus unedo berry, chestnut) are used to give flavour to our home made spirit, and produce a sweet liqueur.

Many trees are located in the gardening anually tilled area (terraces) where vegetables and legumes are grown as annual crops. Some trees are grown in soils that are not being tilled anymore, kept for goat pasture or forage . Almost all trees are watered during the summer (once every 1 or 2 weeks).

The grapes were harvested last saturday (early-mid October) by family and relatives (for making wine), but we kept some of the sweetest ones on the vines for whenever we happen to walk them by ...

Many times, for some people, fruit is the only thing they eat earlier in the morning, and they pick it direclty from the trees.

Peaches, our new young tree fruit is only now slowly turning ripe.

Apples are plenty for all meals everyday, and for the goats. Some of them will be stored and last, be eaten, through the winter.

Pears, our tree has a "overloaded" generous yield, goats have been eating the ones not ripe that have been falling for the last few weeks.

 Plums, the one tree located in the association "tree sanctuary" is late ripe variety, delicious.

Chest nut, Castanea sativa, we got the first handful today. We have one tree, more than 200 years old(partly colapsing, and a young one growing already inside it), that we care for just about 2 hours per year, cutting ferns and bramble underneath the canopy, and get a harvest of about 50-100 kilos per year.

Walnuts, we will be collecting them soon, we have been hand cleaning the ground from litter dry biomass from herbaceous plants and brambles that grow every year under and on the edge of the canopy.

Raspberries, they are offering us a second yield, now that we had some rain and we can water them more.

Figs, 4 different kinds and in different microclimates, plenty. Some trees started, a few years ago, by cuttings are now giving their first dozens.

Persimons, the goats have been eating the falling ones that turn ripe after a few days off the tree.

Planted a few months ago, this Opuntia yields its first fruit.

Blackberries, wild, almost everywhere, they were sweeter before the rain ... quite a few were used to make liqueur.

Next fruit, to ripe later in the year, are persimons, tangerines and kiwis. Arbutus berries harvest is starting now and will last through December, and olives will be harvested later in December too.

Kiwis, nearly ripe:

Arbutus unedo berries ripening from October until December.

We will be eating a lot of tangerines through the winter and we will be waiting for the loquat, cherries, apricots, raspberries, muleberries and plums again.

To be continued (with more pictures).

domingo, 14 de outubro de 2012

Cabras - Goats

Long haired goat at home, compost starters.

Humans work with goats to sustain themselves and our shared (goat)culture in the mountain, of which they are a intrinsic member.

Because we don't have other way of taking care of them outside (our terraces mosaic patches are not properly fenced), most of the time they are kept in their warm home, as if in a rock cliff cave...

They trample fresh biomass (this biomass is fresh cut plants-food that they don't eat completely) that is added every day, they pee and poo on it. A compost pile builds up in the proccess, reaching more than 1 meter inside the shed. It does not smell, but it keeps a gentle warmth. This is because high carbon content coppiced shrubs are added / Erica and Genista spp mostly, and sometimes Cystus and Cytisus-Broom.

As we live in a rather "brittle" environment (uneven distribution of humidity throughtout the year - dry summer and wet winter - see Holistic Management) goats function as "humidifiers", bio-digestors, so that the annually grown biomass needed for fertilization and building of soil on soil depleted steep rocky slopes, to be used on mountain terraces, thus proccessed in the gut and enriched biologically under their feet, nutrient and mineral cycle can occur, and along carbon will undergo its final cycling in the growing of annual crops.

As mentioned in previous post, the decomposition of this trampled and manured biomass happens to occur under the tilled soil. Creating a sponge that holds Spring time rain water and summer "once a week" flood irrigation.

They also eat everyday some hay or dry corn stalks. All food is obtained/stored/collected locally by the keepers. No food is bought. They eat kitchen scraps, early fallen fruit, prunings-tree branches.

Through Autumn and Winter, when is not raining they graze outside for a few hours on meadows or on rye patches sown just after first Autumn rains. They do this everytime in a different spot, so that rye grows back.

They are milked every day. Milk is used mostly to make cheese for home comsumption and some for special local traditional produce market, via direct relational marketing/sale.

Some people take them to the mountain everyday to browse on more than those same species that are cut and brought to them everyday.

Older goats and younger ones are butchered every year, and their meat is eaten during feast days when relatives and family come together during holy-days, specially for Easter and the Village Patron Saint Summer Feast.

Three goats in the old shed, whose 2 walls are built with dry stone only, and is partly embeded in the rocky slope. The goat at the back stands on this mother rock nearly vertical slope. Mimics the goat cave on the cracks of rocky cliffs, reminds me of Mallorca (Spain) "wild goats" hiding on this type of shelters.

Chão Sobral hamlet. Steep slope at the back with natural regeneration after 2005 forest fire. At the front: olive trees and dry grass, terrace with corn for animal fodder (light green) in between vine rows.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Tree Crops: Castanea sativa

In July 2011, we paid a visit to the old Chestnut Tree, the "king of the mountain".
It is located inthe bottom of a valley-gully, in between 2 very steep slopes. This creates here a special microclimate, with a minimum of sunlight reaching the tree leaves per year. The site is usually cool and damp as there is always some water running in the creek next to this tree.
Strangely all the branches we see in the pictures below belong to 1 single tree, which has inside it a new one, already yilding nuts, that started growing from a nut in it's collapsing rottenwood core.

From under its branches, we collect every autumn from 50 to 100 kilos of nuts, maintenance takes about 1-2 hours of work per year and it consists simply of removing ferns, a few herbaceous plants, and litter biomass, so that we can see the nuts on the ground to pick them.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

sons, saberes e sabores - sounds, skills and flavours

Sounds, Skills and Flavours Festival

O "Festival Sons, Saberes e Sabores" é um evento que se vai realizar nos dias 28 e 29 de Setembro em Chão Sobral ( concelho de Oliveira do Hospital )


As actividades vão ter lugar no Largo da Eira de Cima

Dia 28 de Setembro

20h30 Sessão de Cinema ao Ar Livre

Dia 29 de Setembro

9h Arruada pelas ruas de Chão Sobral com os Netos do Zabumba e os Trajes e Ofícios Tradicionais

10h Sons da Aldeia: A Natureza, as Danças e os Músicos da Terra
Oficinas de Saberes e Sabores, na Eira de Cima:
Queijo de Ovelha e de Cabra, Pão de Milho, Compotas, Medronho, Gastronomia

12h30 Almoço - Largo Eira de Cima

14h30 Oficinas de Saberes e Sabores, na Eira de Cima:
Licores, Xisto, Madeira, Facas, Arraiolos, Vinho
Exposição de Artesanato, Produtos da Agricultura e Ofícios da Terra
Banco de Sementes, de Ervas Aromáticas e Medicinais

17h Lanche partilhado na Eira de Cima

18h Sons da Aldeia: A Natureza, as Danças e os Músicos da Terra

Durante todo o dia irão ser passados Sons da Natureza gravados por Luís Antero

This event is going to take place on the 28 and 29 September in Chao Sobral - mountain hamlet - Oliveira do Hospital municipality - central Portugal.

Sounds, films, concert, workshops, farmer´s market, local food.

Este evento tem como objetivos:

- promover o conhecimento das pessoas da comunidade, a musica, as sua habilidades do viver o dia-a-dia na serra, os produtos tradicionais da nossa aldeia.

- realizar a integração e o envolvimento das pessoas que vivem na terra com os visitantes.

- facilitar a aprendizagem de saberes, através interacção de várias gerações com actividades de interesse sociocultural e recolha e dinamização de oficinas de actividades tradicionais.

Chao Sobral tem uma comunidade de cerca de 100 pessoas, e fica localizado em declives acentuados na Serra do Acor. O seu dia-a-dia resulta de uma historia com mais de 500 anos.

This event objectives:

- to promote the local people´s knowledge, the mountains sounds and musicians, their daily mountain living skills, the traditional and local products.

- to create the integration and the involvement between local villagers and visitors.

- to facilitate the learning of local skills and culture in the context of different generations sharing during traditional activities workshops.

Chao Sobral community is a 100 people hamlet standing on steep mountain slopes. It is a ongoing history of + 500 years.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Chão Sobral - Nascentes e zonas - water springs and zones

In Permaculture Design we define zones according to the land use strategies/functions/capability and intensity of use.

the food forest on the ridge crest - location

The food forest project is located in the center of the old hamlet urban area.
The blue line marks the Chão Sobral watershed.
The red line marks the border of the "Commons Land", mostly steep and rocky xist soils. 
The light blue line marks the 2 main creeks that nourish the hamlet life.
O projecto da floresta de alimentos está localizado no antigo centro urbano do povoado.
A linha azul marca o contorno da bacia hidrográfica.
A linha encarnada marca o limite dos "Baldios", essencialmente solos rochosos e de declive muito acentuado.
A linha azul claro marca os dois principais ribeiros que abastecem o povoado.

terça-feira, 17 de abril de 2012

6, 7 e 8 de Julho - Curso de Introdução à Permacultura

Curso de Introdução à Permacultura
na Aldeia do Chão Sobral - Serra do Açor - Oliveira do Hospital
6, 7 e 8 de Julho
Com André Vizinho e João Gonçalves

20h Jantar
21h Apresentações e filme “Uma Quinta para o Futuro (Farm for the Future)”

8h Pequeno-almoço
9h Introdução. Eu e o Mundo.
10h Permacultura – o que é e o que não é? Origem. Ética. “O Pico de tudo”.
10h30 Lanche
10h45 Conceitos, princípios de planeamento, padrões.
11h15 Análise Entradas e Saídas, análise de fluxos.
12h Percurso pela aldeia: Soluções Técnicas, “Empilhamento no Tempo e no Espaço”, Análise por Zonas, Sectores e Declive.
13h Almoço
14h Biodiversidade e Solos. Construção de pilha de composto.
17h Lanche
17h30 Sistemas financeiros ecológicos
19h30 Jantar
21h00 Comunidade e Transição: Centro de Convergência, “Aldeia das Amoreiras Sustentável”, Chão Sobral. Excertos dos filmes “Aldeia de Sonho” e “Alface” realizados na Aldeia das Amoreiras.

8h Pequeno-almoço
9h Os 4 quadrantes da Filosofia Integral.
9h30 O Processo de Planeamento em Permacultura.
10h15 Lanche
10h30 Exercício prático de criação de um Planeamento de Permacultura (para contexto à escolha dos participantes, em 4 grupos de 4 participantes)
13h Almoço
14h Continuação do exercício prático – afinar as apresentações
16h Apresentações em grupo dos Planeamentos de Permacultura.
17h15 Lanche
17h30 Próximos passos
18h Avaliação

Inscrições Limitadas a 16 Participantes

Até 6 de Junho - 90 euros
Depois de 6 de Junho - 100 euros

Há a possibilidade de pagar com bens ou serviços. Contacte-nos.

O valor a pagar Inclui, além do curso:

- Todas as refeições

- Certificado de Participação

- DVD com documentos multimedia e bibliografia de Permacultura

No acto da inscrição deverá ser enviado confirmativo de pagamento para a conta bancária:

NIB: 00350 5670 0029 5399 0045

Para solicitar a ficha de inscrição, saber sobre alojamentos e mais informações contactar João Gonçalves – joaovox @ yahoo.com – T: 96 96 80 009 ou 914 022 063

terça-feira, 10 de abril de 2012

Rede Convergir - Portugal orientado para a Sustentabilidade - No Mapa


A rede CONVERGIR é uma iniciativa que pretende mapear projectos inspiradores que contribuam para uma convergência global da sociedade em direcção ao equilíbrio da Sustentabilidade.
É um juntar de esforços de pessoas que pretendem contribuir para dois objectivos:
- dar a conhecer, às pessoas que já estão envolvidas, o movimento silencioso que tem vindo a acontecer em Portugal de inúmeras iniciativas e projectos de diversas identidades, no sentido de criar uma rede de cooperação.
- integrar novas pessoas que se sintam motivadas a contribuir para uma convergência global e que, para isso, precisem de conhecer iniciativas e projectos concretos a acontecer ao seu redor.
O mapeamento de projectos é feito através do preenchimento e envio de um inquérito on-line, projectos esses que ficarão georreferenciados num mapa.
As actividades e iniciativas aparecerão num calendário comum também através do preenchimento de um inquérito on-line.
Quais os projectos e iniciativas que estão na rede?
A rede CONVERGIR integra projectos cuja actividade procure contribuir para um maior equilíbrio, diversidade e interdependência dos indivíduos, promovendo uma maior harmonia entre os seres humanos (e suas gerações) e entre estes e o seu meio ambiente.
Quais os Princípios da iniciativa?
Cooperação – o contributo de cada pessoa objectiva o bem comum e promove as relações baseadas na colaboração entre indivíduos e projectos.

Transparência – desde o seu início a ideia foi partilhada, integrando o contributo de quem dela teve conhecimento e assim entendeu por bem fazer. Os seus resultados são de acesso comum.
Auto-regulação e organização – a informação de entrada é gerida por um grupo de voluntários que é rotativo consoante as dinâmicas de motivações e desmotivações pessoais.

Abrangência e proximidade geográfica – o projecto procura ter colaboradoras/es que cubram a generalidade do território de Portugal e estejam próximos dos projectos.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Turbina Elétrica mini-hídrica - 1 de Abril em Chão Sobral

Demonstração em Chão Sobral

14 – 18 HORAS

Ponto de encontro:
União Progressiva de Chão Sobral.
Sócios UPCS 5 euros
Não Sócios 20 euros
Inscrições até dia 28 de Março
Mais informações e inscrições
96 96 80 009 ou 914 022 063


sexta-feira, 2 de março de 2012

Village-Life-Experience em Chão Sobral de 1 a 7 de Abril


Uma semana na aldeia : é esta a proposta que aqui lhe dirigimos.
Do acordar ao deitar, são cinco dias repletos de actividades que além de lhe provar que a vida no campo floresce de oportunidades, é também uma forma de lhe transmitir conjunto de práticas. Pelo meio, atravessam-se refeições partilhadas num espírito de convívio bem como uma série de actividades nocturnas que vão dos contos tradicionais a outras artes da lareira….
De fora não ficam ainda as suberbas paisagens que funcionarão como mote para muitas das propostas que aqui lhe dirigimos.


Aldeia de Chão Sobral: uma pequena aldeia aninhada entre os 600 e 700 metros de altitude na Serra do Açor, de onde se avista a Serra da Estrela e a Serra do Caramulo. Dista 16 kms da aldeia histórica de Piódão, 11 kms do Monte Colcurinho (miradouro e local de peregrinação a 1242 metros de altitude), 3 kms do notável Santuário de Nossa Senhora das Preces, e 10 kms de Aldeia das Dez.

Residem em Chão Sobral cerca de 140 habitantes e uma população jovem muito ativa na Associação local para a realização de atividades variadas de animação cultural e recreativa, onde se incluem Passeios Pedestres e Passeios em Bicicleta Todo-o-Terreno - BTT.

Embora a maioria dos trabalhadores estejam a sair, e a voltar diariamente, para prestar serviços fora da aldeia, existem aqui diversas atividades com base nos recursos naturais locais: aguardentes de medronho e de bagaço, enchidos, compotas, queijo de Ovelha e de Cabra, produtos hortícolas, mel, artesanato em madeira e de xisto, facas “Corte-Real”, tapetes de fitas, tapeçaria de Arraiolos e lenha.


- Dia 1 de Abril

- Dia 2 de Abril

Pastoreio de cabras na serra - José Mendes
Roçar mato para os animais - Cuidar das ovelhas e coelhos - Mário

Enchidos parte 1 - Preparar a carne – Isabel
Pão de milho - Luciana

- Dia 3 de Abril

Horta na serra - Raimundo
Facas - Cecília e José

Forja – Agostinho
Tapetes de fitas - José Martins

- Dia 4 de Abril

Fazer lenha com machado - José Silva
Plantar árvores, podar e enxertar - José Dias

Enchidos - Encher as chouriças - Isabel
Xisto criativo - Artesanato em Xisto - Vítor Curinha

- Dia 5 de Abril

Raízes Criativas - Artesanato em Madeira - Nelson
Fazer muros/socalcos com pedra seca - Manuel

Queijo de cabra - Luciana
Fazer muros/socalcos com pedra seca - Manuel

Dia 6 de Abril

Ciclo do Medronho - Armando
Queijo de ovelha - Conceição

Ciclo do Medronho - Armando
Coscureis - Bolos Tradicionais - Maria Clara

- Dia 7 de Abril

Dia livre para passeios e afins

Custos e Condições

>> 220 EUR + IVA em regime de alojamento e pensão completa para a semana toda
>> 60 EUR + IVA por dia em regime de alojamento e pensão completa
>> 50 EUR + IVA por dia sem alojamento mas com acesso às formações e refeições.
O acesso a cada ateliê requer uma inscrição prévia dado que o número máximo de participantes por actividade não poderá exceder os doze participantes, pelo que serao admitidos um níumero máximo de 24 participantes a esta edição da Village Life Experience.


Agradecemos que todos os interessados nos contactem através do mail farmerslifeexperience@gmail.com ou dos seguintes números de telefone: 216 073 905 e 926 506 033


>> www.farmerslifeexperience.com

>> http://tradicional.campingcarportugal.com/locais/local17.htm


Mais sobre Chão Sobral

Grato pela divulgação,